Meio Ambiente

Os principais benefícios de cultivar alimentos nas cidades

horta-urbana-noocity
By vligg.com

A vida nas megacidades nos faz desconectar da vida natural. Ficamos submergidos em sons, odores, alimentos, construções e situações que nos deixam cada vez mais distantes do meio natural para o qual nosso corpo foi projetado para funcionar. Isso provoca diversos distúrbios como ansiedade, depressão ou estresse.

Se considerarmos ainda a nossa capacidade voraz para cimentar grandes áreas, arrasando bosques e florestas, e acima de tudo, um estilo de vida predatório que emite muito mais resíduos do que o planeta pode suportar, temos uma tempestade perfeita.

Dessa forma, repensar nossas vidas não é um assunto menor, mas que é essencial para nossa sobrevivência. A boa notícia é que as grandes soluções sempre nascem em meio ao caos.

As hortas urbanas já são realidade em todas as grandes cidades do mundo. São inúmeras iniciativas que transformam o entorno que é capaz de reestabelecer novamente a biodiversidade e proporcionam mais qualidade de vida com maior eficiência econômica para os cidadãos.

O movimento de agricultura urbana tem se mostrado receptivo a diferentes faixas etárias, classes sociais e países que já tem adotado sistemas de produção de alimentos dentro das cidades.

Abaixo, apresento os doze principais benefícios que as hortas urbanas oferecem:

 Reduzem as ilhas de calor – a inércia térmica da água presente nas plantas e a própria terra de cultivo faz com que a horta absorva calor, reduzindo as flutuações de temperatura.

2 Melhora a qualidade do ar –  à noite a folhas fazem fotossíntese, liberando oxigênio.

3 Absorvem o ruído – diferentemente do cimento, as plantas conseguem absorver os sons.

Reduzem o risco de inundações –  a terra é capaz de reter a água da chuva no momento em que cai, aliviando as galerias urbanas sobrecarregadas pela baixa permeabilização do solo urbano.

5 Reduzem a contaminação em todo processo – contaminação de terras, fluxo nas estradas, gastos e desperdício dos mercados.

6 Destino de resíduos orgânicos – os resíduos de alimentos e vegetais que causam problemas na logística de caminhões de lixo nas cidades, podem se transformar no melhor nutriente possível para uma horta, por meio do processo de compostagem.

7 Alternativa econômica – plantar uma horta própria é mais barato que ir ao mercado. Pode também converter-se em uma atividade econômica, e eventualmente pode gerar uma grande transformação social em comunidades de renda baixa.

8 Melhora a qualidade alimentar – os alimentos orgânicos são mais nutritivos. Além disso, facilitam a capacidade de encontrar alimentos alternativos.

9 Durabilidade – apesar do que dizem os vendedores de geladeiras, as plantas ficam vivas muito mais tempo sem se deteriorar.

10 Promove-se uma maior biodiversidade – as plantas se relacionam entre si e com insetos, o que possibilita o desenvolvimento da fauna e flora local, essencial para reduzir as possíveis interferências de pragas.

 11 Promove a convivência entre usuários e vizinhos –  a horta é um espaço público ideal para o encontro comunitário.

12 Integração com a natureza – Ver uma planta crescer e estar perto dela aumenta o contato com o ritmo natural do universo o que inclui o ritmo de vibração natural do corpo.

Arregaçar a camisa, colocar as mãos na terra e comer alimentos que você mesmo plantou, ajuda a conseguir a tão desejada harmonia que tanta gente busca. Então o que está esperando? Mãos a horta!

Post publicado originalmente em espanhol no blog do BID, Ciudades Sostenibles

*Rafael Loschiavo Miranda é fundador da Ecoeficientes e co-fundador do Noocity Ecologia Urbana, é arquiteto com mestrado em sustentabilidade pela Universidade Politécnica de Barcelona e trabalha para a integração de soluções sustentáveis nas cidades.

Clique Para comentar

Deixe seu comentário aqui

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Mais Lidas

Vligg | Todos os Direitos Reservados 2016.

Topo